Palavra de Treinador
Conhecedor do futebol feminino, Jorge Barcellos tem novo desafio na seleção

Vinicius Carrilho
Especial para o site da FPF


Atual treinador da Seleção Brasileira, Jorge Barcellos é um dos grandes conhecedores do futebol feminino do país. Com passagem marcante pela equipe nacional, onde conquistou a medalha de ouro no Pan-Americano de 2007, o vice-campeonato mundial no mesmo ano e medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 2008, agora o treinador espera trazer o tão sonhado ouro na edição de 2012 das olimpíadas, que serão disputadas em Londres.

A carreira de Barcellos tem uma ligação muito forte com o futebol feminino. Entre 2006 e 2008 o treinador dirigiu a mesma seleção nacional que se encontra hoje, depois foi trabalhar na então recém criada liga americana de futebol feminino, dirigindo o Saint Louis Athletica.

Em terras americanas, Jorge Barcellos levou seu time ao terceiro lugar na primeira temporada e na segunda, quando disputava o título do torneio, foi surpreendido com uma decisão da direção do clube, que alegou dificuldades financeiras e retirou a equipe da competição.

Após o trabalho nos Estados Unidos se encerrar, o treinador voltou para o Brasil e comandou as categorias de base da Seleção Brasileira, até ser convidado novamente a assumir o cargo no time principal.

Com uma carreira dedicada ao futebol feminino, Barcellos falou sobre a evolução da modalidade no país, as lições deixadas após a prata nos jogos olímpicos de 2008 e sobre as gerações das meninas brasileiras.

FPF: Jorge, você é um conhecedor do futebol feminino do país. Como vê a evolução da modalidade no país?
Jorge Barcellos:
Acho que o futebol feminino melhora a cada ano, vem crescendo de forma gradativa, mas não em uma velocidade que deveria. Já temos campeonatos, coisa que não acontecia antes de 2007. Mas já deu uma crescida considerável.

FPF: Na sua opinião, a geração atual é melhor que aquela primeira geração de meninas do futebol?
Jorge Barcellos:
Não acho que seja melhor. As condições atuais estão diferentes. Se aquelas meninas que começaram tivessem as mesmas condições que as de hoje, teriam rendido mais, pois elas tinham muita qualidade. Aquela época não havia campeonatos, era tudo reduzido ao Rio de Janeiro e São Paulo. É difícil comparar gerações. A primeira contou com grandes jogadoras como a Sissi, Pretinha entre outras.

FPF: Como foi iniciar a carreira no futebol feminino? Era algo que você planejava? Teve que adequar uma forma de trabalho?
Jorge Barcellos:
A vida é cheia de surpresas e entrar no futebol feminino foi uma delas. Sempre estive envolvido com o futebol e graças a Deus estamos sempre procurando contribuir com o futebol e espero continuar. Quanto ao tratamento, o profissional é da mesma forma em qualquer área ou gênero. Você se entrega e o gratificante é estar sempre trabalhando.

FPF: Acredita que a derrota nos Jogos Olímpicos de 2008 trouxe lições que serão utilizadas na edição de 2012?
Jorge Barcellos:
Cada derrota é um aprendizado, assim como cada torneio disputado. Se aprende muito com os resultados negativos. Não se pode perder e simplesmente deixar as coisas para trás. O time foi amadurecendo, sabe das responsabilidades que cada jogadora tem e isso é o importante. Vejo que temos um grupo muito maduro.

FPF: Como vê o futuro do futebol feminino no Brasil?
Jorge Barcellos:
Todo futuro de uma modalidade depende de vitórias. É difícil conseguir algo com derrotas. Então o que irá acontecer depende. Ainda estamos vivendo do que foi feito em 2007 e 2008 e esperamos conseguir essa medalha para continuar evoluindo. Primeiro temos que começar com uma vitória no Torneio Cidade de São Paulo, que também é muito importante. Meu pensamento é sempre no que vem primeiro e esse é um momento de preparação, avaliação.

FPF: Falando sobre você, há algum treinador que seja considerado um espelho para o seu trabalho?
Jorge Barcellos:
Na verdade o Brasil tem muitos treinadores que tem uma metodologia muito boa, bem legal. Alguns são conservadores, outros liberais. Olhando e observando cada um deles, você acaba pegando alguma coisa. Por exemplo, a simplicidade do Ney Franco, um pouco mais de treinador do Felipão, o modo sereno, porém muito técnico do Mano Menezes. Sempre estamos aprendendo um pouco, cada um com o seu jeito. Hoje temos grandes técnicos no país, tanto é que há uma exportação deles, o que não acontecia antes.

FPF: E para o seu futuro, planeja algo?
Jorge Barcellos:
Acho que futuro é uma consequência do que for feito agora. Penso no presente, que é fazer o melhor possível, contribuindo com a Seleção Brasileira. Sempre dependemos muito das pessoas que estão ao nosso lado, das atletas. Acho que o futuro será em algum clube, com boas condições de trabalho. A seleção é algo passageira, soma muito na carreira e nos da à possibilidade de contribuir com o país. Com o tempo sei que há um desgaste natural. Sei que meu futuro será no futebol, pois ele está dentro de mim e permanecerá enquanto eu estiver aqui na Terra.

© 2014 Federação Paulista de Futebol - Todos os direitos reservados. FALE CONOSCO    |    EXPEDIENTE