Guarani Futebol Clube
História

A fundação do Guarani Futebol Clube – no dia 02 de abril de 1911 – foi uma iniciativa de Pompeo De Vito, Ernani Filippo Matallo e Vicente Matallo (primeiro presidente do clube). O nome é uma homenagem à ópera "O Guarani", obra mais conhecida do maestro e compositor clássico Carlos Gomes (baseada no romance homônimo de José de Alencar), um dos mais ilustres homens nascidos na cidade de Campinas.
 
O Guarani foi o primeiro clube campineiro a construir o seu próprio estádio, em 15 de junho de 1923, na rua Barão Geraldo Resende. Para a inauguração, a equipe convidou o principal clube do futebol paulista na fase amadora desse esporte, o Club Athletico Paulistano, que contava com Friedenreich. O Guarani venceu a partida inaugural por 1 x 0, gol de Zequinha. Vem dessa época o acirramento da rivalidade com seu arquirrival, a Ponte Preta (com quem faz o dérbi cmpineiro), que só viria a ter seu próprio estádio em 1948, com a inauguração do Moisés Lucarelli.
 
Em 1947, o presidente da Federação Paulista de Futebol, Roberto Gomes Pedrosa, implantou a era profissional no esporte, criando o Campeonato Paulista da primeira e sgunda divisões. No ano de 1948, o XV de Piracicaba foi o primeiro campeão da divisão de acesso, tornando-se também o time pioneiro do interior a participar do grupo de elite do futebol paulista. O Guarani foi o segundo clube interiorano a chegar ao campeonato principal, ao vencer o campeonato da 2ª Divisão de 1949.
 
Com a chegada do profissionalismo, surgiu a necessidade de se ter um estádio maior. O Guarani adquiriu um novo terreno e construiu o  Brinco de Ouro da Princesa, inaugurado em 31 de maio de 1953, com uma partida contra o Palmeiras, que acabou sendo derrotado pelo time de Campinas pelo placar de 3 a 1.
 
Graças à estrutura criada, a equipe passou a se destacar nos campeonatos profissionais. Em 1954, cedeu o primeiro jogador para uma Seleção Brasileira: Fifi, que participou do Campeonato Sul-Americano Juvenil. Em 1963, o Guarani teve pela primeira vez atletas convocados para uma Seleção principal: Tião Macalé, Oswaldo, Amauri e Hilton, que jogaram o Campeonato Sul-Americano daquele ano. Os primeiros troféus da era profissional também surgiram naqueles anos: os torneios-Início dos campeonatos paulistas de 1953, 1954 e 1956, a Taça dos Invictos de A Gazeta Esportiva, em 1970, e a Taça Almirante Heleno Nunes (referente à conquista do primeiro turno do Campeonato Paulista), em 1976.
 
O auge dessa evolução seria marcado pelo inédito campeonato nacional, conquistado em 1978, com uma equipe na qual destacavam-se Careca, Zenon, Renato "Pé Murcho" e o treinador Carlos Alberto Silva. Até hoje, o Guarani é o único do interior a ter conquistado o título da Primeira Divisão (Série A) do Campeonato Brasileiro, tendo sido ainda vice-campeão do Torneio dos Campeões em 1982, quando perdeu a final para o América (RJ), no Maracanã, por 2 a 1.
 
O Guarani chegaria ainda a dois vice-campeonatos brasileiros, em 1986 (em uma final inesquecível contra o São Paulo, decidida após uma prorrogação e disputa de pênaltis) e 1987 (contra o Sport), classificando-se em três oportunidades para a disputa da Copa Libertadores da América, principal competição sul-americana de futebol.
 
Pelo Campeonato Paulista, o Guarani ainda corre atrás do seu primeiro título. Nos últimos anos, a equipe de Campinas vem alternando altos e baixos na competição. A equipe foi rebaixada à Série A2 em 2006, quando terminou o torneio na 17ª colocação. Contudo, no ano seguinte, a equipe conseguiu retornar à elite do futebol paulista, junto com a Portuguesa, Rio Preto e Mirassol.
 
Em 2008, novamente na Série A1, o Guarani sofreu para não ser rebaixado. A equipe se salvou na última rodada, com uma vitória diante do Rio Preto, pelo placar de 2 a 0, e terminou a competição no 16° lugar. Porém, em 2009, depois de uma péssima campanha – três vitórias, cinco empates e 11 derrotas –, o Guarani foi novamente rebaixado à Série A2. A equipe de Campinas terminou o Campeonato Paulista na 19ª colocação.
 
No Campeonato Brasileiro, a equipe disputou a Série C em 2008 e terminou com o vice-campeonato, conseguindo, assim, o acesso à Série B. Subiram junto com o Guarani, Atlético Goianiense (campeão), Campinense (PB) e Duque de Caxias (RJ).


No retorno para a Série B do Campeonato Brasileiro, o Guarani superou todas as expectativas ao conquistar o acesso para a elite como vice-campeão da competição. Junto com o time de Campinas subiram Vasco da Gama (campeão), Atlético Goianiense e Ceará.


Por outro lado a equipe campineira não conseguiu fazer uma boa campanha no Campeonato Paulista da Série A2, tendo que brigar para não cair novamente de divisão. Já no Campeonato Brasileiro da Série A de 2010, o clube não evitou a queda e retornou à Série B nacional.

Em 2011,o Guarani conseguiu o acesso para a elite do futebol estadual, perdendo a decisão para o XV de Piracicaba nos pênaltis. Porém, no segundo semestre, a equipe desandou, no Campeonato Brasileiro da Série B, lutou contra o rebaixamento por boa parte da competição, escapando do descenso apenas nas últimas rodadas do torneio.

Por isso, nem o mais otimista dos torcedores bugrinos esperavam a campanha no estadual de 2012. Inspirado, o Guarani eliminou o Palmeiras nas quartas de final e num confronto histórico, derrotou a arquirrival Ponte Preta na semifinal. Na decisão, porém, não conseguiu evitar o tricampeonato santista e ficou novamente com o vice-campeonato estadual, o que não ocorria desde 1988.

A campanha, no entanto, antecedeu novos momentos ruins ao clube. No mesmo ano do histórico vice-campeonato paulista, o clube sucumbiu na Série B do Brasileiro, caindo para a Série C. Não bastasse o rebaixamento no nacional, fez nova campanha ruim no primeiro semestre de 2013 e acumulou nova queda, desta vez para a Série A2 do Campeonato Paulista de 2014.

Ficha Técnica
Presidente
Alvaro Negrão de Lima
Endereço
Av. Imperatriz Dona Teresa Cristina, 11 - CEP 13100-200 - Campinas -
Telefone: 19 2136-3400/ 3295 6882

Web Site Oficial
www.guaranifc.com.br


Fundação
02/04/1911
Estádio Mandante

Estádio Brinco de Ouro da Princesa
Campinas
Mascote

O Bugre, mascote do Guarani, surgiu como homenagem ao filho da terra, o compositor Carlos Gomes, autor da ópera “O Guarany”, um enorme sucesso em 1911, ano da fundação do clube de Campinas.

A figura do indiozinho nada mais é do que uma representação dos homens que formavam a tribo dos Guaranis, conhecidos por sua grande coragem e espírito de luta, características que o clube carrega ao longo de sua existência.
Atletas cadastrados
Profissional
Amador
Artilheiros (em competições da FPF)
3 Gols
Fumagalli
(Paulista A2 - Profissional)
3 Gols
Fabinho
(Paulista A2 - Profissional)
2 Gols
Eduardo Eré
(Paulista A2 - Profissional)
© 2014 Federação Paulista de Futebol - Todos os direitos reservados. FALE CONOSCO    |    EXPEDIENTE